Segunda-feira, 3 de Agosto de 2009

o meu problema 2

 Tenho um problema. É crónico, mas não chega a ser grave. É uma sensação – não chega a ser estranha –, de que frequentemente os políticos me tratam como se fosse parva, praticamente acéfala. O que se intensifica sempre que se aproximam eleições, como é o caso.

 

Nos últimos dias, não faltou por aí quem me tenha querido fazer acreditar que é determinante, para eu decidir conscientemente em quem votar, que o PSD apresente já o seu programa eleitoral. Disseram-me de tudo: que se ele chegar apenas no final de Agosto, não terei tempo de o digerir durante o mês que então ainda faltará até às legislativas; que assim, os socialistas marcam desde já a agenda e o debate político; e que talvez Manuela Ferreira Leite não consiga, até lá, fazer muito mais do que imitar José Sócrates. Como se fossem só vantagens para o PS e só por causa disso, o meu rudimentar barómetro pessoal já estivesse em absoluta efervescência. Lembro-me, nem de propósito, que nas Europeias de Junho, o tempo também foi atirado contra o PSD porque este se atrasou na apresentação do cabeça de lista, mas que o tardio Paulo Rangel acabou por ganhar a Vital Moreira.

Depois, deram-me 120 páginas de programa PS – suspeito que, sem palavras repetidas, se poderia resumir em 20. Tentam convencer-me que grande parte não é mais do mesmo e que não me queimaram tempo e paciência quando dispensaram o eficaz asterisco. Poderia ter sido qualquer coisa do género: * leia mais no programa eleitoral de há quatro anos, ou lembre-se das políticas do Governo ao longo da última legislatura. E, como se já não fosse pouco, ainda pretendem seduzir-me com algumas medidas novas, como a da atribuição de 200 euros a cada bebé que nascer. Querem que acredite que se vai ter mais filhos só porque o Governo dará aos potenciais pais deste país aquele dinheiro para meter no banco, ainda que com o impedimento de lhe mexer antes dos desejados rebentos chegarem à universidade.

 

Mas há mais. Voltam com a conversa do costume, da redistribuição da riqueza, que deve ser mais equitativa, para me dizerem que a prioridade é a defesa da classe média e que, para que isso seja possível, há que tirar aos ricos. E mostram-me em euros o que são uns e outros. Não consigo evitar rir-me. Que parva!

Nem a Entidade Reguladora para a Comunicação Social me surpreende. Agora, a dinâmica ERC quer proibir os candidatos a qualquer cargo nas próximas eleições legislativas e autárquicas de emitirem opinião nos media. Imagino que temam que eu não saiba que a Manuela Ferreira Leite que escreve no Expresso é a mesma que se candidata ao cargo de primeiro-ministro.

 

Enfim, não chega a ser surpreendente, mas não deixa de ser preocupante a amostra de debate político que se fez até aqui, em plena fase de lançamento da campanha eleitoral, e quando Portugal tem pela frente a necessidade de matar duas crises, a mundial e, ainda mais difícil, a sua. Mas até pode ser insultuoso, num ano em que a Justiça, apenas um exemplo, se destaca pelas piores razões, com investigações criminais a ameaçar de morte os dois maiores partidos.

 

Tenho a sensação que a campanha não vai crescer, com programa do PSD e tudo, mas este deve apenas ser um problema só meu.

 

publicado por Sílvia de Oliveira às 12:33
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds