Quinta-feira, 29 de Abril de 2010

Já ouvimos!

Foi preciso a Standard & Poor's baixar o rating para o nível mais baixo de sempre e que os juros da dívida pública atingissem o recorde de 13 anos. Foi preciso chegar ao estado de uma confrangedora debilidade face aos mercados internacionais. Foi preciso perder tanto tempo a culpar os especuladores - que sempre existiram -, para que o governo e o PSD anunciassem que vão trabalhar juntos na redução do défice e da dívida pública, ou seja, na execução do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC).

Só agora, chegados a este ponto, Sócrates e Passos Coelho marcam um encontro de urgência, como se se tratasse de um nobre feito. Como se há muito não estivesse em causa a sobrevivência e o futuro do país, como se alguém alguma vez pudesse ser teimoso ou irresponsável ao ponto de comprometer qualquer ponta de solução, como se nenhum dos dois não tivesse já entendido há séculos que se tomasse outra atitude estaria a dar tiros nos próprios pés.

Explicada a inevitabilidade do sucedido, reconhecida a importância de um acordo entre o governo e o PSD, há que dizer que é isto, para já existe só e apenas isto. No final do encontro em São Bento, Sócrates e Passos Coelho não apresentaram uma "mão cheia de nada", como disse Vieira da Silva a propósito do PEC do PSD, mas quase. A verdade é que o primeiro-ministro não deu uma única novidade aos mercados e aos portugueses. Nada de novo. O que seria de estranhar é que não existisse já um acompanhamento regular e intenso da situação financeira internacional. O anúncio de que isso vai passar a ser feito não é uma decisão que se anuncie depois de uma reunião de hora e meia entre o chefe de governo e o líder do maior partido da oposição.

E não vale dizer que se vai antecipar para 2010 medidas que só estavam previstas para mais tarde, e depois elencar meia dúzia de coisas que acabaram de ser aprovadas no último Conselho de Ministros ou anunciadas há dias pelo ministro Teixeira dos Santos. A taxa de 20% sobre as mais-valias em bolsa, o novo escalão de IRS de 45% para rendimentos acima dos 150 mil euros, a introdução de portagens nas Scut e as mexidas nas regras das prestações sociais não retributivas, bem como no regime do subsídio de desemprego estavam decididas e prontas para avançar quanto antes.

Nada de antecipação, zero de reforço, que fique claro. O que Sócrates - e Passos Coelho também - deixou foram apenas palavras, intenções e compromissos: que o governo está determinado a fazer tudo, mas mesmo mesmo tudo o que for necessário para que o défice se situe em 2013 abaixo dos 3%; que este é um país que cumpre os seus compromissos e que nunca desistiu da sua credibilidade internacional; que o governo está disponível para considerar as propostas feitas pelo PSD.

Não chega. Os mercados e os portugueses aprovam sentimentos como a determinação, mas já estão cansados disso. Registam o dar a face e voltar atrás de Passos Coelho, mas tão-pouco lhe dão grande relevância. Apreciam sinais de entendimento político, mas também não se contentam com anúncios de alianças. Aquilo que os mercados valorizam não é o Sócrates- -determinado nem o Passos Coelho-responsável, são, isso sim, resultados. E até agora, disso nem sinal. Dizia ontem Passos Coelho: "Não precisamos dizer mais hoje senão isto." Está muito enganado.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:55
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Abril de 2010

O problema não é o mar

Há leituras para todos os gostos, a mais à frente é aquela que interpreta o discurso do 25 de Abril de Cavaco Silva como o lançamento da campanha à sua recandidatura nas eleições presidenciais de 2011. Pois, que seja. De facto, Cavaco não voltará a ter, neste mandato, muitas oportunidades de falar com tanta pompa e circunstância a tantos portugueses. Sim, qualquer analista político conseguirá justificar, uma a uma, as ideias e as palavras de Cavaco e analisar a sua intencionalidade e eficácia no campo da táctica eleitoralista.
Mas não é isso que interessa agora às pessoas, que ainda atribuem, sobretudo com o país neste estado, uma atenção especial ao que diz o Presidente num momento tão solene. Mesmo num dia em que só se pensa no Benfica. De pré-campanhas, campanhas e eleições estão todos fartos. Como disse Cavaco, e bem, "os portugueses perguntam-se todos os dias: para onde estão a conduzir o país? Em nome de quê se fazem todos estes sacrifícios?". São as respostas a estas questões que podem tranquilizar e transmitir a tão desejada confiança às famílias e às empresas.
Ninguém estava à espera que as soluções surgissem embrulhadas no meio dos discursos do Dia da Liberdade, nem que fosse Cavaco a responder àquilo a que o governo de Sócrates ainda não conseguiu dar resposta credível e definitiva. Mas esperava-se, isso sim, que o Presidente aproveitasse a ocasião para dizer coisas importantes.

Ainda que no cavaquês do costume, Cavaco falou e não foi para o ar. Falou a todos os portugueses quando os criticou por pouco ou nada fazerem pelo país quando ele mais precisa. Nem todos podem ser Salgueiros Maias - "aquele que deu tudo e não pediu a paga", lembrou, citando Sophia de Mello Breyner -, mas não é possível que a maioria não perceba que há vida para além do plasma que dá brilho aos jogos de futebol. Falou aos que, ao contrário do que fez o capitão de Abril, "caminham para Lisboa em busca de cargos e lugares", mais conhecidos por boys.


Falou directamente a António Mexia quando voltou a interrogar-se sobre se os rendimentos dos gestores das grandes empresas não serão muitas vezes injustificados e desproporcionados face aos salários médios dos seus trabalhadores. Falou ao governo quando defendeu que a periferia - que já não se mede em quilómetros - "está onde mora a ineficiência do Estado, a falta de excelência no ensino, a ausência de conhecimento, de inovação e de criatividade [...], o atraso competitivo." E claro, falou ao primeiro-ministro, quando atirou sem clemência: "A injustiça social cria sentimentos de revolta, sobretudo quando lhe está associada a ideia de que não há justiça igual para todos."
Cavaco falou a muita gente, disse coisas acertadas, que existe vida para além de Lisboa, mas esqueceu-se do essencial, do que o país mais precisa - uma estratégia de médio e longo prazo e de governos que a executem até ao fim, sem mandar abaixo o pouco que vai sendo feito. Cavaco falou, encantado, sobre o mar, a necessidade de Portugal repensar a sua relação com "um activo económico maior do nosso futuro", mas esqueceu que essa conversa, como tantas outras, já é velha. Os nossos problemas, infelizmente, são e continuam a ser os do costume. No final da década de 70, antes de Portugal entrar na então Comunidade Económica Europeia (CEE), a falta de competitividade já era apontada como uma das principais falhas da economia nacional. Cavaco falou, falou, mas esqueceu-se de dizer o mais simples, que em Portugal os governos, incluindo os que ele próprio liderou, pouco governam.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:53
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Abril de 2010

O que importa se são ignorantes?

É compreensível a crescente indignação que se sente no país, à medida que se intensificam os presságios de que, depois da Grécia, será a vez de Portugal sucumbir ao estado de falência. É uma palavra pesada. Quem é que empresta dinheiro a uma economia incapaz de honrar os seus compromissos? Dispensam-se, por isso, os presságios que têm sido atirados com tanta insistência, tanto mais que se sabe que só contribuem para piorar a situação e alimentar o vampirismo dos mercados.

Mas quando o nome de Portugal é pronunciado com tanta frequência e por economistas de referência, como o coerente Joseph Stiglitz, dá que pensar. O que o governo nos diz sobre as contas portuguesas, défice e dívida já é suficientemente preocupante. Estado, empresas e particulares estão tão endividados que vivem no fio da navalha. Até os custos do acordar de um vulcão na Islândia vão pesar, e de que maneira. Mas e os números apresentados por Sócrates e Teixeira dos Santos serão reais? A dúvida instala-se e não é simples dar cabo dela, sobretudo quando o passado recente descredibiliza. Antes das eleições, o défice orçamental era inferior a 6% e passados poucos meses já é de 9,4%. Será?

É fácil criticar os que falam de Portugal como a próxima vítima e acusá-los de profetas da desgraça. É fácil desdenhar do presidente checo e apontar-lhe o desplante ou a falta de educação na provocação que fez a Cavaco Silva em Praga, faz sentido duvidar das contas fantasiosas de alguns articulistas estrangeiros e questionar os seus verdadeiros interesses, é normal culpar os grandes investidores, que todos os dias procuram nas fragilidades das empresas, mas neste momento sobretudo dos Estados soberanos, a melhor forma de ganhar dinheiro, é admissível desvalorizar a relevância dos CDS (credit default swaps), que estão longe de ser um indicador credível de aferição do risco de dívida, e faz parte atirar com teorias mais ou menos conspirativas à volta de um tentativa de atentado norte-americano ao projecto do euro. Tudo, mas mesmo tudo, é legítimo para quem está de mãos e pés atados e ainda por cima se sente injustiçado.

Mas e este tipo de reacção terá alguma utilidade? Porque é só isso que importa saber. Mais do que gastar energia a chamar ignorante aos que têm opinião sobre o estado da economia portuguesa e decidem publicá-la, o que verdadeiramente deve preocupar o governo é apresentar factos, mostrar acção, depois de, claro está, assumir com clareza e verdade as debilidades da economia. Não há mal nenhum em assumir fraquezas que estão à vista de todos, mau é não mostrar determinação na solução para o problema e, pior, um perfeito desastre, não fazer nada ou ser demasiado lento na tomada de decisões. Os mercados enganam-se muitas vezes, não querem saber se são justos ou não, nos mercados aposta-se e ataca-se. E não é a Irlanda, é Portugal um dos alvo escolhidos por quem está habituado a explorar as frinchas. Por algum motivo será: o governo irlandês ainda não parou.

Está tudo nas mãos de Sócrates, que sabe bem o que tem a fazer. Já não vai lá com agências de comunicação e roadshows, nem com planos de intenções. O Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), por exemplo, ainda não passou disso mesmo.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:52
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

Shame on you

E se os títulos das notícias de hoje dissessem: "Palha da Silva será o novo presidente da Cimpor"? Ninguém acreditaria. Neste país - noutros também, mas para o caso pouco interessa -, o governo mete-se em tudo, até na escolha dos líderes das empresas privadas. Garante que não, mas de pouco vale, também já ninguém acredita. O relato do que terá acontecido nas últimas semanas, à volta da constituição da lista para os novos órgãos sociais da cimenteira, é verdadeiramente confrangedor.

Neste país - muito para além do extraordinário -, dizem-nos que Luís Palha da Silva, um dos melhores gestores portugueses, apesar de não ganhar concursos, não conseguiu reunir o consenso entre os accionistas da Cimpor. E porque será que aquele que era até há bem pouco tempo o presidente executivo da Jerónimo Martins e a quem foi atribuído o sucesso da reestruturação levada a cabo no grupo de Alexandre Soares dos Santos, esse mesmo, o mesmo que já foi administrador financeiro da Cimpor e que, por isso, até conhece o negócio e a empresa, não terá conseguido o apoio da maioria dos accionistas da cimenteira? A resposta não é simples, mas também já não espanta muita gente. Em síntese, existe uma espécie de clube restrito de accionistas das grandes empresas, onde o Estado é membro honorário, tem lugar cativo, impõe códigos e cultiva relações perigosas. E a independência não é, por razões várias, coisa que abunde por aqueles lados.

Palha da Silva passou pelo governo, mas a verdade é que não é do político que nos lembramos quando o seu nome é falado, o que está escrito na sua testa é "Gestor". Mas por ali, não, não são os critérios de boa gestão empresarial os que determinam certas decisões. Os accionistas, é o que parece, estão mais preocupados em gerir o imediato das suas vidas, aceitam aquilo que lhes é sugerido, tanto lhes faz uma primeira ou uma terceira escolha, o que lhes importa é sobreviver num mundo onde a porta das empresas está sempre escancarada para o Estado.

E depois ainda existem os bancos públicos. Segundo consta, Faria de Oliveira, presidente da CGD, não conseguiu resistir às pressões e teve de abdicar do seu homem para a Cimpor, aquele que tinha sido seu secretário de Estado. É assim a vida de um banqueiro deste Estado. Mas ainda há mais para dizer do papel do presidente da Caixa enquanto accionista de uma das maiores empresas industriais do país. Para quem queria ser o rosto da pacificação accionista na Cimpor, para quem desejava contribuir para a estabilidade e solidez da estrutura de capital da cimenteira, só lhe resta parar e admitir que o resultado foi pífio. Depois da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela CSN, basta uma leitura rápida da lista de accionistas para concluir que de estável tem pouco (faça Zoom na página 23).

E, no final, o Estado incontinente ganhou. Castro Guerra, ex-secretário de Estado de Manuel Pinho e ex de outros cargos públicos/políticos - facto de lembrança imediata - será o futuro presidente da Cimpor. Não chega deste governo de Sócrates, tal como Mário Lino, mas do primeiro, não faz parte do círculo de amigos do primeiro-ministro, mas é um rosto do Partido Socialista. Pois, que faça o seu trabalho, que seja um bom gestor e mostre que não é apenas mais um membro do clube dos do costume escolhidos para o topo do clube das grandes empresas. Os accionistas da Cimpor ainda não sabem bem, mas talvez agradeçam.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:51
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Abril de 2010

Há ajudas e ajudas

Portugal vai endividar-se mais ainda, não para pagar parte do muito que deve, mas sim para ajudar a Grécia a sair da situação de iminente falência das suas contas públicas. Neste domingo à tarde, com as bolsas encerradas e antes de uma nova ida da Grécia ao mercado para se financiar, os países da zona euro apressaram-se a fechar um plano de ajuda. Uma derradeira tentativa para sossegar os investidores, depois de uma das semanas mais negras para o governo grego. Empréstimos bilaterais de até 30 mil milhões de euros a uma taxa de juro de cerca de 5%, abaixo dos spreads de mercado. A este montante, juntar-se-á ainda o Fundo Monetário Internacional com mais 15 mil milhões de euros. E à altamente endividada economia portuguesa caberá uma quota de 774 milhões de euros, ou seja, 73 euros por cada contribuinte, conforme as contas feitas ontem pelo i. É dinheiro. E o esforço é ainda maior porque Portugal e os portugueses estão metidos numa crise grave e nem sequer sabem como vão sair dela. Simples como a verdade, aquela que Teixeira dos Santos disse sem hesitações, logo em Março, assim que se levantou a hipótese de a zona euro avançar com um plano de ajuda à Grécia. "Portugal está numa posição muito delicada e dificilmente poderia suportar aumentos da sua dívida para acudir à Grécia", avisou o ministro das Finanças. Sem florear porque, melhor que ninguém, Teixeira dos Santos conhece o verdadeiro estado das contas públicas nacionais. Mas, mais uma vez, foi ultrapassado, primeiro por Luís Amado, ministro dos Negócios Estrangeiros, e depois pelo próprio primeiro-ministro, que garantiram aos gregos, mas sobretudo aos alemães e aos franceses, a solidariedade portuguesa. Talvez não tenha sido bem uma ultrapassagem. Talvez Teixeira dos Santos tenha apenas tentado fazer de Angela Merkel, que até ao fim - até ao acordo fechado no domingo - foi dura e deixou bem claro que o "sim" da Alemanha não foi mais do que um grande favor aos gregos. A Grécia até pode não precisar de todo o dinheiro disponível, a Grécia vai pagar juros, mas as prioridades de qualquer economia europeia, mesmo a alemã, neste momento de crise, são tudo menos gastar recursos para pagar os erros gregos. Já com Portugal, a situação é completamente diferente. A solidariedade do governo de Sócrates é, obviamente, interesseira. Empresta 774 milhões de euros, que não tem, e mais emprestaria se a participação de Portugal no capital do Banco Central Europeu (BCE) fosse maior. Ninguém sabe o dia de amanhã, nem Sócrates nem Teixeira dos Santos, e o entusiasmo manifestado por algumas instituições internacionais em relação ao Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) português não foi secundado pelas agências de rating. A verdade é que a Fitch e a Standard & Poor's baixaram o rating da República e mantêm o outlook negativo. E não é menos verdade que, ontem, depois do alívio dos mercados face à Grécia, a dúvida de muitos analistas era a de saber se Portugal seria a próxima vítima da solidariedade europeia. Nestas coisas, como em tantas outras, nem sempre ajuda mais quem pode, mas sim quem precisa.
publicado por Sílvia de Oliveira às 14:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

Livros & Cigarros

Não vivemos no meio de uma guerra, apenas de uma crise económica que faz outro tipo de vítimas, e já passaram mais de 50 anos, mas o mundo contado por George Orwell continua assustadoramente actual. O "Livros & Cigarros", recentemente editado pela Antígona, reúne vários ensaios do autor de "1984", um dos quais sobre a liberdade intelectual e a liberdade de imprensa. Apesar de escrito no período da Segunda Guerra Mundial, são inquietantes a actualidade e a oportunidade do texto "A Prevenção da Literatura", publicado em Janeiro de 1946 na revista britânica "Polemic".

Diz Orwell: "O género de coisas que jogam contra ele [jornalista]" é "a concentração da imprensa nas mãos de meia dúzia de ricos"; "A independência do escritor e do artista vai sendo corroída por obscuras forças económicas"; "Os inimigos directos da honestidade e, como tal, da liberdade de pensamento, são os barões da imprensa, os magnatas da indústria cinematográfica e os burocratas"; e "Para exercer o direito de nos exprimirmos livremente, temos de lutar contra a pressão económica e contra franjas poderosas da opinião pública."

Podia ser hoje. Não é preciso pensar muito, basta olhar para os grupos de comunicação social, ver quem são os donos das rádios, dos jornais e dos canais de televisão, o que fazem e ao que vão. São sempre os mesmos, vão e voltam. Têm agendas próprias, cadernos de encargos e interdependências várias. Para além de, claro está, terem de dar lucro e, assim, satisfazer accionistas e, em parte, justificar a sua existência. É variado o que os move e o negócio é muito mais complexo, não vive apenas da verdade nem da liberdade de criticar. O jornalista não é livre e tem consciência dessa ausência de liberdade, segundo Orwell, "quando é obrigado a escrever mentiras ou a suprimir o que lhe parecem ser notícias importantes".

Mas o mais grave, na opinião do autor, é que esta independência é, ao mesmo tempo, "minada por aqueles que deviam ser os seus defensores". Afinal, "os inimigos conscientes da liberdade são aqueles para quem a liberdade devia ter mais valor. Os cidadãos comuns estão-se nas tintas para a questão", nem tão- -pouco estão dispostos a fazer grandes esforços para a proteger, "não há uma corrente de opinião vigorosa".

Orwell olhou à sua volta e citou, neste ensaio, o caso dos cientistas, admiradores acríticos da URSS, que pareciam não encontrar importância na destruição da liberdade, pois o seu campo de actividade não era atingido. "Quando assistimos à indiferença de homens cultos ficamos sem saber o que desprezar mais, se o seu cinismo, se a sua curteza de vistas", diz. Se há quem não se tenha dado conta, basta reler George Orwell: "Qualquer ataque à liberdade intelectual e ao conceito de verdade objectiva ameaça, a longo prazo, todos os sectores do pensamento." Podia ser hoje, também podia ser em Portugal.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds