Segunda-feira, 10 de Maio de 2010

O pior que pode acontecer a um político, segundo Sócrates

Cavaco Silva garante que sabe muito bem aquilo que está a fazer e, por isso, apela a um voto de confiança no nosso - seu - ministro das Finanças, a propósito das novas metas do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) e da capacidade do governo para as executar. O Presidente não pediu que o país confie no governo porque simplesmente não pode apelar à confiança em algo que está partido (faça zoom nas páginas 14 a 17). Se o tivesse feito, os portugueses seriam chamados a confiar em quem? Nos que estão contra a suspensão, o adiamento, a reavaliação - o que se lhe quiser chamar - das grandes obras? No primeiro- -ministro, que no final de Abril - há menos de duas semanas -, em pleno debate quinzenal, enchia o peito para dizer que rever o plano de investimentos públicos era "uma fantasia que não tem a menor correspondência com a realidade"? Disse mais: "Eu sigo o meu plano e não me impressiono. O pior que pode acontecer a um político é quando tem um plano pensar mudá-lo quando encontra uma dificuldade". Que risco pedir aos portugueses que confiem neste primeiro-ministro, o mesmo que agora - não passaram sequer duas semanas - reviu de alto a baixo o seu plano de investimentos públicos. Está tudo dito, é desnecessário relembrar outras contradições de José Sócrates sobre as grandes obras. Muitas e num curto espaço de tempo.

Cavaco confia em Teixeira dos Santos, já deu disso provas várias vezes, fez até questão de ouvir o ministro em Belém e, só por isso, pode pedir o mesmo aos outros.

Fernando Teixeira dos Santos conseguiu dizer o que pensa sobre o tema dos grandes investimentos sem embaraçar o primeiro-ministro, ainda que a sua contenção lhe tenha custado o incómodo rótulo de desautorizado. Conseguiu aguentar as vacilações de Sócrates, numa habilidade de palavras, colocando à vista de todos as divergências no seio do governo sem, no entanto, escancarar as portas. E, pelos vistos, com resultados. O novo aeroporto de Lisboa foi adiado, a terceira travessia sobre o Tejo também, do TGV manteve-se o troço Poceirão- -Caia e estão sob análise eventuais cortes noutros projectos. Teixeira dos Santos desejaria tanto o investimento público quanto o PCP, cuja reacção ao cancelamento das obras foi no mínimo hilariante. Não há governo que dispense esta forma de estimular uma economia estagnada, a não ser quando os perigos são demasiado evidentes. Mas nem todos perceberam que o país tem de mudar de vida. Portugal está demasiado endividado - o Estado e, sobretudo, as famílias e as empresas - e depois desta convulsão nos mercados o custo da dívida disparou. Não é de hoje que se sabe que já não vivemos no tempo do crédito fácil e barato. Ouça-se Cavaco Silva, três frases: 1. "Faz sentido, neste tempo, reexaminar os investimentos públicos e privados na área dos bens não transaccionáveis que sejam capital-intensivo tenham uma grande componente importada"; 2. "A nossa recuperação económica só será duradoura se se reduzir as necessidades de financiamento externo"; 3. "É nas comunidades locais e nas PME que pode estar a fonte duradoura da nossa recuperação económica." Chega? É que, neste caso, o Presidente da República sabe o que está a dizer. Seria bom que José Sócrates ouvisse, mostrasse convicção nas decisões e que confiasse sem hesitações no seu ministro das Finanças. Não nos podemos dar ao luxo de ter um primeiro-ministro que governa ao sabor das pressões dos mercados e das opiniões que muitos decidiram tornar públicas, como Vítor Constâncio ou Jean-Claude Trichet.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:57
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds