Sexta-feira, 3 de Abril de 2009

Pode repetir?!

 
É óbvio que o caso Freeport não vai morrer tão cedo. E ainda bem. Este não é só mais um caso, é aquele em que o primeiro-ministro português é citado num processo de suspeitas de corrupção. Chamem-lhe campanha negra ou o que quiserem, mas Sócrates deveria ser o primeiro a querer ver tudo em pratos limpos. E quanto mais cedo melhor. Da sombra, essa sim muito negra, já não se livra. Da desconfiança, muito menos. O seu bom-nome, que diz tanto prezar, não voltará a ser o que era se não houver uma conclusão. O arquivamento só é bom para quem deve. E o que o primeiro-ministro diz é que não teme.
Mas para que tudo acabe bem, independentemente da conclusão, é bom que a Justiça funcione e que consiga transmitir a confiança de que não existirão atropelos, pressões e outras coisas que tal e que ninguém, mas mesmo ninguém, vai falhar no cumprimento das suas obrigações. E é precisamente isso que não está a acontecer. Para o comum dos mortais, o que parece é que no meio de tamanha confusão, a promiscuidade entre o poder político e o poder judicial instalou-se para mastigar as investigações. E às vezes, à conta de tanto parecer, o que parece é.
A divulgação de um vídeo transmitido pela TVI, onde alegadamente Charles Smith acusa José Sócrates de corrupto, e as declarações do novo presidente do sindicato dos magistrados do Ministério Público, acusando a existência de pressões sobre os responsáveis pela investigação deste caso, são dois bons e recentes sinais de alarme. Mesmo que tudo o que já se passou não tivesse bastado para fazer soar as campainhas de quem, em Portugal, zela pela boa Justiça. Pinto Monteiro quebrou o silêncio sobre o assunto mas mais valia ter ficado calado.
O comunicado da Procuradoria-Geral da República revelou-se uma enxurrada de contradições. Primeiro, os responsáveis pela investigação não são alvo de quaisquer pressões, depois avisa que vai averiguar e castigar os magistrados que possam estar a prejudicar o andamento do processo, e a seguir chama de urgência o presidente do Eurojust porque lhe constou que Lopes da Mota terá contribuído para comprometer a isenção da investigação. Será que pode repetir, senhor procurador-geral da República?!
publicado por Sílvia de Oliveira às 16:07
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Pedro a 7 de Abril de 2009 às 10:53
Bom dia Sílvia,

Está em destaque no SAPO, em http://www.sapo.pt e http://blogs.sapo.pt

Espero que a experiência esteja a correr bem aqui nos Blogs do SAPO. Boa continuação!

Pedro
De Sílvia de Oliveira a 16 de Abril de 2009 às 14:03
Olá Pedro :-) obrigada pela simpatia sapo! beijinhos
De Crepúsculo a 9 de Abril de 2009 às 01:45
Temos o Freeport porque é ano de eleições... um caso que se arrasta... ora adormece, ora acorda...

Abraço

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds