Terça-feira, 13 de Abril de 2010

Há ajudas e ajudas

Portugal vai endividar-se mais ainda, não para pagar parte do muito que deve, mas sim para ajudar a Grécia a sair da situação de iminente falência das suas contas públicas. Neste domingo à tarde, com as bolsas encerradas e antes de uma nova ida da Grécia ao mercado para se financiar, os países da zona euro apressaram-se a fechar um plano de ajuda. Uma derradeira tentativa para sossegar os investidores, depois de uma das semanas mais negras para o governo grego. Empréstimos bilaterais de até 30 mil milhões de euros a uma taxa de juro de cerca de 5%, abaixo dos spreads de mercado. A este montante, juntar-se-á ainda o Fundo Monetário Internacional com mais 15 mil milhões de euros. E à altamente endividada economia portuguesa caberá uma quota de 774 milhões de euros, ou seja, 73 euros por cada contribuinte, conforme as contas feitas ontem pelo i. É dinheiro. E o esforço é ainda maior porque Portugal e os portugueses estão metidos numa crise grave e nem sequer sabem como vão sair dela. Simples como a verdade, aquela que Teixeira dos Santos disse sem hesitações, logo em Março, assim que se levantou a hipótese de a zona euro avançar com um plano de ajuda à Grécia. "Portugal está numa posição muito delicada e dificilmente poderia suportar aumentos da sua dívida para acudir à Grécia", avisou o ministro das Finanças. Sem florear porque, melhor que ninguém, Teixeira dos Santos conhece o verdadeiro estado das contas públicas nacionais. Mas, mais uma vez, foi ultrapassado, primeiro por Luís Amado, ministro dos Negócios Estrangeiros, e depois pelo próprio primeiro-ministro, que garantiram aos gregos, mas sobretudo aos alemães e aos franceses, a solidariedade portuguesa. Talvez não tenha sido bem uma ultrapassagem. Talvez Teixeira dos Santos tenha apenas tentado fazer de Angela Merkel, que até ao fim - até ao acordo fechado no domingo - foi dura e deixou bem claro que o "sim" da Alemanha não foi mais do que um grande favor aos gregos. A Grécia até pode não precisar de todo o dinheiro disponível, a Grécia vai pagar juros, mas as prioridades de qualquer economia europeia, mesmo a alemã, neste momento de crise, são tudo menos gastar recursos para pagar os erros gregos. Já com Portugal, a situação é completamente diferente. A solidariedade do governo de Sócrates é, obviamente, interesseira. Empresta 774 milhões de euros, que não tem, e mais emprestaria se a participação de Portugal no capital do Banco Central Europeu (BCE) fosse maior. Ninguém sabe o dia de amanhã, nem Sócrates nem Teixeira dos Santos, e o entusiasmo manifestado por algumas instituições internacionais em relação ao Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) português não foi secundado pelas agências de rating. A verdade é que a Fitch e a Standard & Poor's baixaram o rating da República e mantêm o outlook negativo. E não é menos verdade que, ontem, depois do alívio dos mercados face à Grécia, a dúvida de muitos analistas era a de saber se Portugal seria a próxima vítima da solidariedade europeia. Nestas coisas, como em tantas outras, nem sempre ajuda mais quem pode, mas sim quem precisa.
publicado por Sílvia de Oliveira às 14:50
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds