Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

Livros & Cigarros

Não vivemos no meio de uma guerra, apenas de uma crise económica que faz outro tipo de vítimas, e já passaram mais de 50 anos, mas o mundo contado por George Orwell continua assustadoramente actual. O "Livros & Cigarros", recentemente editado pela Antígona, reúne vários ensaios do autor de "1984", um dos quais sobre a liberdade intelectual e a liberdade de imprensa. Apesar de escrito no período da Segunda Guerra Mundial, são inquietantes a actualidade e a oportunidade do texto "A Prevenção da Literatura", publicado em Janeiro de 1946 na revista britânica "Polemic".

Diz Orwell: "O género de coisas que jogam contra ele [jornalista]" é "a concentração da imprensa nas mãos de meia dúzia de ricos"; "A independência do escritor e do artista vai sendo corroída por obscuras forças económicas"; "Os inimigos directos da honestidade e, como tal, da liberdade de pensamento, são os barões da imprensa, os magnatas da indústria cinematográfica e os burocratas"; e "Para exercer o direito de nos exprimirmos livremente, temos de lutar contra a pressão económica e contra franjas poderosas da opinião pública."

Podia ser hoje. Não é preciso pensar muito, basta olhar para os grupos de comunicação social, ver quem são os donos das rádios, dos jornais e dos canais de televisão, o que fazem e ao que vão. São sempre os mesmos, vão e voltam. Têm agendas próprias, cadernos de encargos e interdependências várias. Para além de, claro está, terem de dar lucro e, assim, satisfazer accionistas e, em parte, justificar a sua existência. É variado o que os move e o negócio é muito mais complexo, não vive apenas da verdade nem da liberdade de criticar. O jornalista não é livre e tem consciência dessa ausência de liberdade, segundo Orwell, "quando é obrigado a escrever mentiras ou a suprimir o que lhe parecem ser notícias importantes".

Mas o mais grave, na opinião do autor, é que esta independência é, ao mesmo tempo, "minada por aqueles que deviam ser os seus defensores". Afinal, "os inimigos conscientes da liberdade são aqueles para quem a liberdade devia ter mais valor. Os cidadãos comuns estão-se nas tintas para a questão", nem tão- -pouco estão dispostos a fazer grandes esforços para a proteger, "não há uma corrente de opinião vigorosa".

Orwell olhou à sua volta e citou, neste ensaio, o caso dos cientistas, admiradores acríticos da URSS, que pareciam não encontrar importância na destruição da liberdade, pois o seu campo de actividade não era atingido. "Quando assistimos à indiferença de homens cultos ficamos sem saber o que desprezar mais, se o seu cinismo, se a sua curteza de vistas", diz. Se há quem não se tenha dado conta, basta reler George Orwell: "Qualquer ataque à liberdade intelectual e ao conceito de verdade objectiva ameaça, a longo prazo, todos os sectores do pensamento." Podia ser hoje, também podia ser em Portugal.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds