Terça-feira, 30 de Março de 2010

Pior é a desilusão de um quase

Hoje, apenas três dias depois de ter conquistado a liderança do PSD, Pedro Passos Coelho tem uma enorme vantagem em relação a José Sócrates. Ainda não desiludiu. Ninguém se ilude com quem não conhece, apenas com aqueles que pensa conhecer. E a verdade é que, apesar de Passos Coelho estar longe de ser um desconhecido na política, a maior parte das pessoas ainda o olha com curiosidade e expectativa. Mais não seja porque nos últimos dois anos não esteve em palco.

Com Passos Coelho ainda se está naquela fase em que se procuram tiques, apreciam-se as cores das gravatas, ainda se pensa "não sei se hei-de gostar ou não", a sua voz ainda não se tornou tão familiar ao ponto de irritar, é quase como se se tratasse de uma pessoa que acaba de chegar para passar a fazer parte da nossa vida. Pode parecer que não, mas tudo isto importa: a desilusão é dos sentimentos mais corrosivos, capaz de despertar coisas impensáveis.

Mas a partir de agora, Passos Coelho sentou-se numa cadeira - só agora todos o ouvirão - e todos os erros e falhas são a pagar, sem excepção. Há erros e erros. Há uns que nem uma vida chega para pagar.

Logo para começar, se se quiser assumir como uma alternativa de poder, o novo presidente do PSD jamais poderá mentir, enganar, prometer o que não poderá garantir ou esconder um passado duvidoso. Uma vez passa, duas ainda vai, mas à terceira já se sente e à quarta pode ser tarde de mais. É assim que costuma funcionar com a desilusão. Vistas bem as coisas, quase nunca é fulminante.

E é assim, tão simples. Passos Coelho não pode deixar tentar-se e tornar-se num ilusionista. Deve fazer aquilo que o governo ainda não foi capaz e explicar tintim por tintim a situação desastrosa em que o país se encontra. Com todo o tempo e detalhe do mundo. Mostrar o quadro inteiro, por muito agreste que seja, e depois concluir dizendo que, por nós, pelos nossos filhos e netos, não nos resta outra saída senão arregaçar mangas, fazer sacrifícios, no limite, sofrer. A todos, mas mais a uns que outros porque como sabemos - Passos Coelho sabe que sabemos - a austeridade toca mais a alguns. Nesta fase já não há expectativas para gerir.

Depois, o novo líder do PSD deve perceber que a oposição não se faz apenas de críticas, que quando se atira a uma medida do governo deve apresentar uma alternativa. Se não quer este Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) deve mostrar o seu, como pretende chegar a 2013 com um défice inferior a 3%. É fácil dizer-se que está ao lado da classe média, ameaçar com o chumbo de todas as medidas do PEC que a afectem, mas não apresentar fonte de receita ou corte de despesa substitutos é puro ilusionismo.

E mais: Passos Coelho deve conseguir resistir à sofreguidão de tantos que o ajudaram na vitória. É difícil ser ingrato, paga-se, mas todos sabemos - Passos Coelho sabe que sabemos - que há recompensas inaceitáveis.

E não acaba aqui. Se não quiser mais um, a vida de Passos Coelho pode ter recomeçado na sexta-feira e até se poderá guardar no fundo da memória tudo o que correu mal antes-das-directas-no-PSD.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:48
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds