Quarta-feira, 25 de Março de 2009

Jorge Miranda

 

Marcelo Rebelo de Sousa não tem razão quando sugeriu que Jorge Miranda não tinha o perfil certo para assumir o cargo de provedor de Justiça. Foi deliberadamente vago e pouco assertivo quando definiu qual deveria ser, na sua opinião, o perfil do sucessor de Nascimento Rodrigues. O constitucionalista Jorge Miranda não será seguramente um guru das novas tecnologias, não saberá o que é o Facebook ou o Twitter, não terá um iPod com várias playlists meticulosamente organizadas – segundo consta, não usa sequer telemóvel. Talvez também não esteja tão atento aos problemas da moderna sociedade de informação, mas tem tantas outras características, bem mais importantes, que o podem transformar num óptimo provedor. Mas disto, parecem esquecer-se Marcelo Rebelo de Sousa e o resto do PSD. A principal é o seu peso, a sua independência e credibilidade, a capacidade adquirida para se fazer ouvir. Quando Jorge Miranda abre a boca é escutado por quem importa, pelo Governo. Quando questiona a constitucionalidade de uma proposta de Lei, é frequente o professor conseguir travar o legislador.
Afinal, é, sobretudo, isso que se pede a um provedor de Justiça, que consiga ser uma espécie de oposição aos poderes públicos, sempre que a defesa dos cidadãos o justificar. E, como Manuela Ferreira Leite bem sabe, um líder de oposição tem que ser ouvido para ser eficaz. Sem ter que gritar, Jorge Miranda terá, se quiser, capacidade para transformar a quase desconhecida Provedoria de Justiça e dar-lhe a importância merecida. O papel de instituições vocacionadas para ouvir as pessoas não é nada despiciendo, tanto mais numa altura de crise, onde a tendência é para um aumento dos conflitos. As relações entre cidadãos e instituições não são sempre pacíficas e estão longe de ser equilibradas.
É isto que interessa: assegurar que os tempos de uma Provedoria discreta chegaram ao fim. Com a liderança de um protagonista. Se José Sócrates e Manuela Ferreira Leite não se conseguem entender em relação a um assunto tão simples, só pode ser birra.    
publicado por Sílvia de Oliveira às 20:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds