Segunda-feira, 15 de Março de 2010

Os pequenos líderes

Apenas poucas horas depois do congresso do PSD, já não são os discursos dos candidatos à liderança do partido que saltam na memória. Ontem a aprovação da polémica proposta de Santana Lopes, que aperta a malha aos militantes que venham a criticar a liderança do partido, abafou qualquer espécie de ideia tentada no congresso. Ontem nem Aguiar-Branco e Paulo Rangel, nem mesmo Passos Coelho saíram do pavilhão multiusos Engenheiro Ministro dos Santos mais primeiros-ministros do que entraram. Espremida a matemática dos aplausos, dos sound bites e das gafes, fica a imagem de uma espécie de congresso dos pequeninos. Discute-se quem foi o vencedor do fim-de-semana como se alguma coisa de verdadeiramente marcante se tivesse passado, como se o que os distinguiu tivesse sido verdadeiramente importante. Não é o passeio confiante de Passos Coelho até ao palco, a descontracção oferecida por dois anos de trabalho ou a provocação a Sócrates acompanhada da tirada "não vamos andar com o PS ao colo" que o faz vitorioso do que quer se seja. Como também não é a resposta deselegante a Machete, quando este o avisou de que o seu tempo estava a chegar ao fim, nem a atabalhoada tentativa de pazes com Alberto João Jardim que mancharam o percurso de Passos Coelho. O mesmo se pode dizer em relação a Rangel e à sua "dessocratização" e inesperada insegurança, ou em relação à expectável fleuma de Aguiar-Branco, que repetiu até à exaustão que sabe o que quer para o partido e para o país. A verdade é que em dois dias de reunião social-democrata só se passaram coisas pequenas, nada que indicie que quem vencer as directas de dia 26 não será apenas líder do PSD, mas também um bom candidato a primeiro-ministro, capaz de fazer frente a um Sócrates indiscutivelmente debilitado. A história deste congresso do PSD é desinteressante, é a história de um partido órfão, é a história de pequenos líderes. É verdade que, como dizia José Miguel Júdice na entrevista ao i, por vezes somos surpreendidos, eles superam-se, agigantam-se. Alguém se lembra dos candidatos a líderes partidários Cavaco Silva, agora Presidente da República, Durão Barroso, agora presidente da Comissão Europeia, ou José Sócrates, agora primeiro-ministro. Também se dava pouco por eles, é verdade, e hoje é o que é. É então isto que se pode esperar, para já, ficar à espera da surpresa, acreditar que, como disse Marcelo, o PSD tem ideias, força e unidade para disputar eleições e até vencer com maioria absoluta, dar a volta a Portugal. Mas como Marcelo também disse, isso não se faz apenas com a mudança de gente, também é preciso mudar a forma de fazer política. Um líder não se faz sozinho. Como lembrou Marques Mendes, exigir-se-á aos derrotados lealdade, solidariedade e respeito porque, como disse, ninguém acreditará que o PSD será capaz de governar o país se não mostrar que se governa a si próprio. E ontem, no fim dos trabalhos em Mafra, a falta de unidade continuava a perseguir o PSD como uma nuvem negra e carregada. E não se vai lá com silêncio forçado.
publicado por Sílvia de Oliveira às 14:48
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds