Quinta-feira, 11 de Março de 2010

Sente a falta do seu helicóptero?

"Sente a falta do helicóptero para ir trabalhar?" A resposta à pergunta do economista João Duque foi um pronto e óbvio "Não!". Mas talvez a resposta de Jardim Gonçalves não tivesse sido esta. O fundador do BCP dispunha de um e até há bem pouco tempo, mesmo depois de ter deixado a liderança do banco, podia usá-lo nas suas deslocações. Ou seja, só sente a falta quem já teve, no limite, só sofre quem se habitou a ter. Helicópteros, carros topo de gama, viagens para as Caraíbas e plasmas, mas não só. Esta crise internacional e a nossa crise - já a tínhamos, não vale dizer que foi inventada - já roubou e vai continuar a roubar coisas bem mais triviais e importantes, como a possibilidade de comprar ou continuar a pagar a prestação da casa, e até o direito a um emprego. Ainda ontem a OCDE, ao mesmo tempo que elogiava o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) português, avisava que a recessão limitou o potencial de crescimento da economia nacional no longo prazo e encolheu o mercado de trabalho. Será a partir de agora - ironias da vida -, quando o governo recebe elogios pelo seu PEC, que a crise vai doer a valer a cada vez mais pessoas. Salários congelados, mais impostos, cortes nas prestações sociais, juros mais altos, crédito mais difícil e mais caro. É o que está para vir. Se ainda não está convencido que terá de apelar ao espírito de sacrifício, lembre-se do que disse anteontem Vítor Constâncio. O governador do Banco de Portugal e futuro vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) afirmou sem rodeios que todos terão de estar preparados para aceitar mais medidas de austeridade. Mais ainda. E Constâncio é conhecido por preparar terreno. Se ninguém o avisou, nem mesmo o primeiro-ministro, fique a saber que o nível de vida de muitos portugueses vai piorar. Logo agora que alguns nos querem convencer, há já alguns meses, que a recuperação económica já começou. É verdade que se viveu numa riqueza artificial e que a alienação tem sempre um custo, mais que não seja o confronto com a realidade. Mas não é por ter sido assim que passa a ser justo dizer a alguém que afinal não podia ter assinado o contrato promessa de compra e venda da sua casa porque, já devia saber, não vai conseguir continuar a pagá-la... E muito mais difícil será um putativo proprietário viver com a ferida das dívidas. O PEC pode ser aprovado, abençoado por Bruxelas, sossegar as agências de rating e afastar o fantasma grego; Portugal pode não ter de ouvir o desplante de Angela Merkel sugerir que venda algumas ilhas; Sócrates até pode pendurar a medalha quando em 2013 mostrar ao mundo um défice de 2,8% e gritar de vaidade que o seu governo conseguiu fazer o que devia para bem do país e de todos os portugueses. Mas e até lá? Bem, até lá, há que aguentar, dirá, o país não pode continuar a viver acima das suas possibilidades. Mas e depois? Bem, depois, dirá, logo se vê, nem sei se ainda cá estarei. Governar não é isto. Portugal não se tornou ingovernável assim a partir do nada, os governos é que não souberam governá-lo. Mas como são os governados que elegem os governantes - era muito bom que assim continuasse -, o melhor mesmo é abrir os olhos - a televisão e os jornais não mostram nem metade -, observá-los em pleno acto. Ser governado dá trabalho mas talvez valha a pena e possa evitar surpresas destas, senão aos nossos filhos, pelo menos aos nossos netos. Por eles, vale a pena.
publicado por Sílvia de Oliveira às 14:47
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds