Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Ontem o país estava feliz!

Ontem o país estava feliz! De Norte a Sul, da esquerda à direita, ninguém ficou indiferente. Vítor Constâncio, o ainda governador do Banco de Portugal, sim, aquele que foi criticado até à medula - algumas vezes merecidamente -, que foi arrasado sem piedade - algumas vezes com razão -, o mesmo que foi acusado de ter sido brando com a banca e um dos responsáveis pelos casos BPN ou BPP, sim, ele, é ele o motivo da alegria nacional. Constâncio foi eleito vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) e foi uma "honra para Portugal", segundo Durão Barroso, um contributo para "a melhoria do bem-estar e da prosperidade de todos os europeus", diz Cavaco Silva, e "um êxito da diplomacia nacional", conclui José Sócrates. Nem o próprio, cujo telemóvel deve ter entupido com a chuva de felicitações, conseguiu sentir tamanho êxtase. Por razões que deixou nas entrelinhas da confissão que fez ao i, logo após a sua nomeação - "Sinto também alguma amargura por ter sido motivado a deixar o país." -, mas também porque tem a noção da verdadeira importância desta sua vitória para o país, quanto mais para a Europa e para o mundo, bem como da sinceridade demonstrada a propósito da sua airosa mudança de vida. A ida de Constâncio para a vice-presidência do BCE, com o importante pelouro da supervisão do sistema financeiro, é obviamente relevante para Portugal, é sempre positivo quando um português é reconhecido pela sua competência e é escolhido para ocupar cargos em instituições internacionais, mas isso não é motivo para tanta festa. Hoje Portugal já não está feliz! E não é preciso muito. Hoje o INE divulgará os dados do desemprego relativos ao último trimestre de 2009, hoje tem início a segunda ronda das negociações salariais entre governo e sindicatos da função pública, com promessas de greve em cima da mesa, hoje a comissão de Ética inicia as audições sobre o "plano" do governo de José Sócrates para controlar a TVI e outros órgãos de comunicação social, hoje José Sócrates promete, na primeira etapa do seu tour pelas bases socialistas, resistir e espantar a crise política que está longe do fim (faça Zoom nas páginas 12 a 17). O PSD já avisou que prepara uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2010 com o objectivo de aumentar os valores das transferências para as regiões autónomas de acordo com a nova Lei das Finanças Regionais. Isso mesmo, o PSD prepara-se para enfiar o dedo na ferida que, segundo governo, é motivo suficiente para demissões de ministros. E além da aprovação do Orçamento na especialidade, faltará ainda o Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC) português - Teixeira dos Santos conseguiu acalmar as agências de rating e os mercados, mas ainda não apresentou factos. Só os factos afastarão qualquer sombra sobre a credibilidade financeira do país. E há mais, muito mais. Até Maio, por exemplo, o governo será testado na escolha do sucessor de Vítor Constâncio. Não basta um nome com técnica e credibilidade, é preciso mais: independência, coragem e autonomia para ser mais intrusivo na supervisão. Teixeira dos Santos pode voltar a fazer o país feliz!

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:43
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds