Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Ilusionismo

“A minha mulher ficou desempregada e eu passei a trabalhar menos horas. O nosso rendimento mensal diminuiu substancialmente.  A crise financeira e económica afectou-nos muito e os nossos três filhos também já apresentam sinais de stress. Pode falar-me um pouco sobre o stress na infância?”

Uma pergunta de um leitor do New York Times, provavelmente um dos muitos norte-americanos violentamente apanhados pela crise económica, que de um momento para o outro pioraram de vida. O psicólogo ao serviço do jornal respondeu, falou das possíveis alterações de comportamento – agressividade, desinteresse, dores de cabeça e de estômago, entre outras – e deixou alguns conselhos: nunca esconder da criança os problemas financeiros, envolvê-la no debate familiar, mas, muito importante, apresentar sempre um discurso de esperança em relação ao futuro.
E é isto. Pais ilusionistas, pessoas que não andam propriamente felizes, que não têm grandes motivos para acreditar que as coisas vão melhorar – cada vez mais economistas apostam no contrário, como o último Nobel da Economia, Paul Krugman -, mas que ainda assim devem ser capazes de mascarar os olhos de optimismo. E fazer o que se pode. Falhar e voltar a tentar. Até ser capaz de iludir sem ter que mentir. E esperar que a odiosa crise, temperada com amor, possa contribuir para ensinar as crianças a gerir melhor a frustração e para as tornar mais resistentes. Para, ironicamente, prepará-las melhor para o futuro. Apenas uma pequena nota do tal discurso de esperança. Como dizia o pediatra e psicalista Donald Winnicott, os filhos não precisam de uma mãe perfeita, mas sim de uma mother good enough. E estas sabem fingir.
publicado por Sílvia de Oliveira às 13:51
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds