Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

Desculpe sempre os seus inimigos, até os imaginários

Alberto Martins saiu ontem do seu gabinete para tentar defender o estado catatónico da justiça, que é como quem diz resguardar José Sócrates. A reter do seu discurso isto: a opinião pública está "surpreendida e chocada". E saberá o ministro da Justiça a razão deste estado geral? Desde sexta, dia da publicação pelo "Sol" de algumas das escutas do processo Face Oculta, a confiança no primeiro-ministro é menor. A pergunta que todos fazem é esta: "Será verdade, será possível que o primeiro-ministro esteja envolvido num "plano" para controlar a TVI e outros órgãos de comunicação social?" Mas enquanto a dúvida alastra e mina um governo fragilizado, eis que os especialistas deste país se dedicam, à força de mais um escândalo que envolve o nome de José Sócrates, ao intenso debate sobre a forma. Neste país, discute-se mais uma vez, porque em causa está o nome do primeiro-ministro, aquilo que não interessa nem um bocadinho à maioria dos portugueses. Sobre os factos, a substância, aquilo que verdadeiramente inquieta, nada, nem uma palavra. Pelos vistos, ninguém parece estar interessado em limpar a imagem de José Sócrates. Não há memória de um primeiro-ministro que tenha sido tão atacado pelos media, escreveu-se algures por estes dias. É verdade - exceptuando Santana Lopes que caiu por ser Santana Lopes -, Sócrates é o campeão de escândalos. Injustamente, não se sabe. A maldita dúvida. Que fique claro que qualquer pessoa tem direito ao bom nome, à sua reputação e à presunção de inocência. Está consagrado na Constituição. E que não reste sombra de dúvida: qualquer democracia só é verdadeiramente uma democracia quando existe liberdade de expressão e uma comunicação social livre e independente. Também está na Constituição. E inevitável, estes dois direitos fundamentais entram muitas vezes em conflito. A pergunta é a de sempre: até quando é legítimo quebrar o segredo de justiça? O problema é que para esta discussão já todos demos sem que, infelizmente, para a justiça e para todos nós - não só para o primeiro-ministro - se tenha chegado a uma conclusão. Não é por isso que se deve abandonar o assunto e admitir uma situação do "vale tudo". Mas não será igualmente importante garantir às pessoas as respostas que elas mais precisam: que Sócrates é humano, não é Deus, erra, mas nunca seria capaz de participar num esquema sórdido, de reunir os "seus" para "limpar gajos" que o incomodam e criticam. A sua palavra, infelizmente para todos, já não basta. Depois de tantos casos infelizes, é assim... Será que não vão fazer nada, que vão depositar a pasta no chamado arquivo morto e deixar-nos à mercê da medonha dúvida. E num repente, um pouco da loucura genial de Oscar Wilde: "Um homem nunca deve ser demasiado cuidadoso na escolha dos seus inimigos." Nada a propósito, nada fácil.

publicado por Sílvia de Oliveira às 14:42
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds