Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

e se os accionistas do BCP fossem os do BPI?

Há pouco tempo um banqueiro garantia-me que o único banco português que compraria de olhos fechados - sem antes ter de fazer uma auditoria - seria o BPI. E porquê? "Porque é bem gerido." O momento não foi propício a grandes explicações e a resposta ficou no ar. Mas a confiança no BPI de alguém que conhece a vida dos bancos como ninguém está, obviamente, longe de depender apenas de uma equipa de gestores tecnicamente irrepreensíveis.

Fernando Ulrich até poderia ser o guru da gestão bancária mas nunca seria apenas isso que justificaria a credibilidade do banco, nem é só isso que tem mantido a instituição afastada das operações furacão e faces ocultas.

O que distingue o BPI é a sua liberdade. Não será total - impossível num país onde comem todos da mesma gamela -, mas será maior que noutras instituições financeiras. Essa liberdade sente-se no discurso desabrido de Ulrich e na sua predisposição para a denúncia, mas está longe de nascer da irreverência do presidente executivo do BPI. Não se pode ser livre porque se quer na banca em Portugal, onde a perda de um negócio com uma grande empresa faz muita diferença.

 

Então o que faz do BPI um banco mais independente e seguro para um banqueiro, que o compraria sem querer olhar ao recheio?

São, sobretudo, os seus accionistas. Estrangeiros, imagine-se. A maioria do capital social do BPI - 67,5% - é detida por espanhóis, brasileiros, angolanos e alemães. Podem ter muitos interesses e servir-se do banco para os satisfazer, como qualquer accionista, mas há uma questão fundamental - a sua sobrevivência não depende do BPI. A vida do La Caixa, do Itaú e da Allianz existe para além do BPI. Mais ainda, a da Santoro, holding de Isabel dos Santos, a filha do presidente angolano, José Eduardo dos Santos. Os interesses, empresariais e políticos destes grupos não se sobrepuseram, pelo menos até agora, aos do banco. A independência dos accionistas do BPI tem sido assim a chave da independência da liderança de Fernando Ulrich e, claro, do próprio BPI.

 

Como na família, nem sempre se podem escolher os accionistas, mas a verdade é que na banca portuguesa há estruturas accionistas que foram montadas à pressão, à medida dos interesses de uma pessoa ou de um grupo. O BPN é o melhor exemplo de um banco que existiu sobretudo para servir um grupo de accionistas. Os outros clientes da instituição eram paisagem. O resultado está à vista: o seu fundador, Oliveira Costa, está detido, o banco foi nacionalizado e a factura vai ser paga por todos os contribuintes.

Mas também o BCP não tem propriamente motivos de orgulho. Com uma estrutura accionista reconstruída em plena guerra de poder pela liderança do banco, o que sobressai é o peso da dependência de accionistas e de outros grupos empresariais. E o mesmo se pode dizer do BES e da CGD, onde o controlo do Estado facilita ainda mais relações convenientes. Nada mais, afinal, do que a tal dependência da economia portuguesa em relação à banca. O país não seria igual se os accionistas do BCP fossem os mesmos do BPI, mas seria pior?

publicado por Sílvia de Oliveira às 19:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 2 seguidores

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds