Segunda-feira, 9 de Março de 2009

A liberdade de Medina Carreira

Medina Carreira arrasou Portugal. Em entrevista ao Mário Crespo, transmitida há minutos, o fiscalista disse que o país não existe, que o voto não serve para nada, que a economia está ao mesmo nível, em termos de crescimento, do início do século passado, que não há gente, que não há partidos - na sua opinião, casas de gente de má vida já há que baste -, que o Parlamento é uma vergonha e que pouco já há para fazer. Disse muito mais, disse pior. Medina Carreira não surpreendeu, apenas mostrou o seu habitual pessimismo no seu melhor. No final da entrevista, a única solução parecia ser a de fechar o país e dá-lo, se alguém ainda o quisesse.

 

Medina Carreira terá, seguramente, razão em algumas coisas que disse. Infelizmente, terá razão em mais do que qualquer um de nós gostaria. Mas, Medina Carreira fez o mais fácil, o que qualquer um de nós pode fazer, sentado à mesa de um café. 

 

Não defendo os optimistas profissionais, recuso veementemente a tese que para aí circula entre os tontos do costume, que acham que é a cultura do pessimismo a principal causa da miséria que vivemos. Mas assim, também eu. Destruo e a seguir vou para casa dormir tranquilamente porque não há nada que eu possa fazer.

 

Defendo os críticos, os que usam e abusam da palavra para nos chamar a atenção para o que está mal e para as armadilhas dos inúmeros vendedores de elogios que para aí existem. Lembro-me, a propósito, de um brilhante artigo que António Barreto escreveu no Público há cerca de dois anos.

 

Recortei e guardei para reler e confesso que, em tão pouco tempo, já o fiz várias vezes. Passo a transcrever alguns excertos:

"O optimismo dos dirigentes é uma profissão de fé. Se estão em posição de poder, se mandam em alguma coisa ou alguém, se sentem segurança na sua posição social, declaram-se previsivelmente optimistas. O problema é que também entendem que os outros devem ser optimistas. E fazem o que podem para concretizar tal desejo".

(...)

"Os que tudo têm são assim: querem que os outros se sintam felizes, aconselham esperança e vendem optimismo, pois, assim, vivem em paz, sem culpa nem remorsos.
O combate pelo optimismo é uma das mais maçadoras pragas da vida pública. Se alguém escreve nos jornais ou aparece na televisão a mostrar algo errado, a criticar as filas de espera em qualquer instituição, a descrer da justiça que temos ou a mostrar repugnância pelo sistema educativo, logo é acusado de pessimista, descrente e céptico. Daí a serem denunciados como intelectuais bem pensantes e profetas da desgraça não é preciso esperar. 'Só sabem dizer mal', é a frase mais ouvida aos poderosos quando se referem a quem se exprime no espaço público".

(...)

"É verdade que a qualidade da imprensa deixa muito a desejar. (...) Mas nada disso justifica que se julgue que a imprensa poderia ser sobretudo uma folha congratulatória.
Pior ainda do que essa atitude é o esforço colossal que os governos, as instituições, as empresas e as instituições da Administração Pública fazem para dourar a pílula e cuidar da sua propaganda. Se fosse possível contá-las, são milhares as pessoas envolvidas nas 'agências de informação', nas empresas de 'relações públicas', nas assessorias de 'imprensa' ou no aconselhamento de 'imagem'. Sem contar os jornalistas reciclados em consultores e os que aceitam recados.
Eis porque vale a pena que alguns, poucos que sejam, se especializem na crítica e na explicação, quite a serem injustos, isto é, a não se preocuparem com as coisas que correm bem. Para estas últimas e para apresentar bem o que corre mal, ou para simplesmente esconder o que não corre, andam por aí milhares de profissionais, consomem-se milhões de horas de trabalho e gastam-se dezenas de milhões de euros.
É por isso que a liberdade é sobretudo a de criticar, não a de elogiar".

Melhor seria difícil. É isto. Nesta entrevista, Medina Carreira não mereceu a liberdade de criticar.

publicado por Sílvia de Oliveira às 21:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds