Domingo, 18 de Outubro de 2009

o que faz um bom aluno?

 

 

 

Hoje, ao contrário do que acontecia há 100 anos, os pais já não escolhem apenas o mais dotado dos seus filhos para seguir o liceu. Hoje, os pais têm o dever de dar a todos os seus filhos condições para estudar, nem que para tal seja necessário pedir ajuda do Estado. Esta ajuda é, aliás, conforme sublinhou o Presidente da República, na sexta-feira, durante as comemorações do centenário do antigo Liceu Camões, uma condição indispensável para uma efectiva igualdade de oportunidades no acesso ao ensino. Não há, de facto, comparação, em 100 anos muita coisa mudou para melhor. O Liceu Camões deixou de ser uma escola selectiva à qual apenas tinham acesso os filhos de alguns. Mas o problema do Liceu Camões e da maioria as escolas de hoje já é outro. Não é novo, mas será, porventura, mais difícil de solucionar. As escolas têm um papel activo na reprodução das desigualdades sociais. Ao contrário do que se pensa, a escola não é aquela instituição imparcial que, simplesmente, selecciona os melhores alunos com base em critérios objectivos e na meritocracia. Afinal, o que as escolas fazem, já dizia Pierre Bourdieu, é espalhar os valores, as crenças, os gostos e os códigos da maioria, do grupo dominantes, isto sob a capa de um embrulho de material académico. Por mais inteligentes e endinheirados, só passam os que dispõem dos meios para decifrar estes códigos.

Na "Sociologia da Educação", Bourdieu notabilizou-se, precisamente, por questionar a neutralidade da escola e atribuir-lhe, inclusive, um papel legitimador das desiguldades sociais, quando converte as diferenças de raiz social em diferenças académicas ou de personalidade. O filósofo cortou, aliás, com uma falsa convicção: a de que é o factor económico a principal explicação para as desigualdades escolares. Para Bourdieu, o desempenho de um aluno está muito longe de depender apenas das suas qualidades pessoais, ou do dinheiro dos pais. O que distingue um bom aluno é, sobretudo, a sua "cultura geral", conceito vago onde se incluem as relações sociais e todo o capital cultural da família.

Por mais limitações que se atribuam à teoria de Bordieu, torna-se quase impossível ignorar certas evidências empíricas. De que forma, um aluno, por mais inteligente que seja, estará apto a concorrer numa escola onde se cobram, para além de conhecimentos técnicos, regras de boa-educação, de bem falar ou bem vestir com as quais nunca conviveu antes em casa? Seria possível imaginar relações tão íntimas entre os accionistas da Portugal Telecom e a própria operadora se Nuno Vasconcellos, Ricardo Salgado e Zeinal Bava não se regessem todos pelos mesmos códigos, se não partilhassem todos a mesma linguagem?

O que falta às escolas é serem, isso sim, genuinamente inclusivas. Não basta ao Liceu Camões, e a tantas outras escolas, ser menos selectivo. A liberdade de escolha e a igualdade de oportunidade estão longe de ser a solução para o problema das desigualdades entre alunos.

publicado por Sílvia de Oliveira às 16:38
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Por aqui, engordam-se por...

Não temos de que nos quei...

O Presidente não tem espí...

D. João II podia ajudar

Tudo tem um preço, até a ...

Guerra entre filhos e pai...

Não há melhores mãos que ...

Explicações em Nova Iorqu...

Se o i fosse um país...

Este sangue não é lá gran...

arquivos

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

subscrever feeds